cinema brasileiro

Sombras da realidade: a jornada de Elisa em "Ninguém Sai Vivo Daqui"

Baseado na obra impactante da jornalista Daniela Arbex, “Holocausto Brasileiro”, o filme “Ninguém Sai Vivo Daqui” nos transporta para um dos capítulos mais sombrios da história brasileira.

Imagem de destaque da notícia

Baseado na obra impactante da jornalista Daniela Arbex, “Holocausto Brasileiro”, o filme “Ninguém Sai Vivo Daqui” nos transporta para um dos capítulos mais sombrios da história brasileira. Sob a direção de André Ristum, o longa chega às telonas brasileiras no dia 11 de julho, prometendo não deixar ninguém indiferente. A narrativa acompanha Elisa, interpretada de forma magistral por Fernanda Marques. Nos anos 70, a jovem, grávida do namorado, é internada à força no hospital psiquiátrico Colônia, em Barbacena (MG), pelo próprio pai. A partir desse ponto, somos conduzidos por uma espiral de dor e resistência que desnuda as atrocidades cometidas dentro daquela instituição.

 

NINGUÉM SAI VIVO DAQUI_45 (com Fernanda Marques) (1)

Fernanda Marques no papel de Elisa no filme Ninguém Sai Vivo Daqui

Ristum, que co-assina o roteiro com Marco Dutra e Rita Gloria Curvo, traz uma abordagem diferenciada à história. Enquanto a série “Colônia” desbrava os horrores de forma gradual, o filme opta por um impacto mais imediato e visceral. “No filme, as coisas são mais concentradas. A gente chega nos pontos mais fortes bem mais rapidamente,” explica o diretor. Esta escolha narrativa torna “Ninguém Sai Vivo Daqui” uma experiência única, carregada de cenas exclusivas que ampliam ainda mais a intensidade do enredo.

A pesquisa minuciosa de Ristum, que envolveu visitas ao atual Colônia em Barbacena, consultas com psiquiatras e análise de fotos históricas, confere uma autenticidade angustiante ao filme. As personagens, embora ficcionais, encontram raízes profundas nas figuras reais que sofreram naquele local. Essa conexão entre ficção e realidade é um dos pontos mais fortes do longa, que não se furta em discutir temas ainda tão atuais, como a condição dos hospitais psiquiátricos no Brasil. Visualmente, a decisão de filmar em preto e branco, tomada em conjunto com o diretor de fotografia Hélcio Alemão Nagamine, acrescenta uma camada extra de desolação ao cenário. “O preto e branco é um personagem no filme,” diz Ristum, sublinhando a ausência de qualquer brilho na vida daquelas pessoas.

O filme se destaca como uma obra corajosa que desafia as convenções e se afirma com força nos festivais de cinema. Após sua estreia no Festival de Brasília de 2023 e exibição no Festival de Talin, na Estônia, o filme se mostra como uma obra indispensável para aqueles que buscam compreender os aspectos mais sombrios e negligenciados da nossa história.

“Ninguém Sai Vivo Daqui” não é apenas um filme; é um convite para refletirmos sobre um passado doloroso e, ao mesmo tempo, uma denúncia necessária sobre questões que ainda ecoam na sociedade contemporânea. Com uma direção firme, atuações memoráveis e uma narrativa impactante, Ristum nos entrega uma obra que permanecerá viva na memória do público. O filme é distribuido pela Gullane+ e chega aos cinemas nessa quinta-feira, 11 de julho.

Confira o trailer abaixo:

Fonte: Todos os direitos reservados a Jovem PAN

Comentários

Leia estas Notícias

Acesse sua conta
ou cadastre-se grátis